Povo meu, para quê Pedágios?

Povo meu, para quê Pedágios?
Povo meu, para quê Pedágios
Praça de Pedágio na BR 277, sob concessão da empresa Caminhos do Paraná

Na intersecção dos anos de 2015 e o atual 2016, fiz um road trip à capital paranaense. Saí no dia 28/12 e retornei no dia primeiro do um. Nestas rodagens vivenciei aquilo que até hoje em um pouco mais de dois anos morando no Paraná, ainda não compreendi:

Por que os paranaenses deixaram que enchessem suas rodovias, quer estaduais e federais, de Pedágios?

É certo que em outros momentos passei pelos (inconstitucionais?) pedágios, mas não em tanto e tão pequeno percurso: de Foz do Iguaçu a Curitiba são nada menos que nove (09) (abusivos?) pedágios, num trecho de 635 km! Isso significa que tais praças estão em menos de 100 km de distância uma da outra!

É bem verdade que ao longo desse percurso rodoviário há os chamados SAU's - Serviço de Atendimento ao Usuário - que são espaços com banheiros, água e café. Por outro lado, existe a assistência ao usuário em momentos de sinistros, tais como pneus furados, falta de combustível e até mesmo acidentes. Para estes últimos, a rodovia é sinalizada e uma placa informa que a 1 km à frente há o sinistro.

Mas esses aparatos são necessários e, pelo contrário do que muitos pensam, a empresa terceirizada que pedagia a estrada não está sendo gentil com os rodoviários, apenas está cumprindo com suas obrigações, visto que se assim não fizer, perderá o posto.

Então, surge mais pergunta:

Paga-se os pedágios em troca desse aparato?

Reflitamos: se além desses cuidados, as estradas fossem duplicadas e mais conservadas; se não houvesse acidentes;  se os valores cobrados fossem menos (abusivos?), talvez fosse mais fácil compreender porque os paranaenses deixaram que enchessem suas rodovias de pedágios.

Mas, até então sem resposta, devo salientar que no Nordeste, pelo menos até o momento que escrevo, há raros pedágios. E é certo que há estradas ruins, mas também há aquelas muito boas e duplicadas, assim, igualzinho ao Paraná, que é pedagiado. Por outro lado, há muitos acidentes nas estradas de lá. Por aqui, a história não é diferente: não é à toa que uma das rodovias federais mais importantes do Estado - a BR 277, justo a que liga Foz a Curitiba - é tenebrosamente chamada de "Ceifa Vidas"!
Povo meu, para quê Pedágios
Bilhetes de Pedágios "ganhados" no percurso Foz-Curitiba! Que tal criar um album colecionável?

Aqui não é um falar mal do Estado e da região, entendam isso, mas apenas uma tentativa de compreender o porquê da instituição de tantos pedágios nas estradas paranaenses!


Leia mais:
> Presente de fim de ano: Pedágio mais caro na estrada de Foz do Iguaçu 
> Vai pagar com quê? Real, Peso, Guarani, Dólar ou Euro? 
COMPARTILHE

Viver na Fronteira

Acompanhe o blog Viver em Foz do Iguaçu e obtenha informações de como é viver em Foz do Iguaçu e na Fronteira Brasil, Argentina e Paraguai.